Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

na rua dos meus sentidos

na rua dos meus sentidos

09
Mai14

Quando uma ida ao lixo é um murro no estômago

naruadosmeussentidos

Sempre me fez confusão ver pessoas ao lixo, literalmente. Sempre me questionei de como seria a vida dessas pessoas para as obrigar a isso. Cheguei-me até a perguntar se realmente eram obrigados a isso, já que muitos o fazem já quase por rotina e outras quase por vício. Uns procuram ferro, outros coisas coisas boas que não servem para outras mas para eles sim e outros apenas sobrevivência, que é como quem diz restos dos pratos dos outros que são muitas vezes o seu único prato do dia.

 

O facto de ultimamente ter uma rotina permite-me dar-me conta das rotinas dos outros, mesmo quando os outros são as pessoas que vasculham os caixotes de lixo. Reconheço o rapaz novo que vai de bicicleta sempre ao final de tarde, reconheço o que usa luvas já gastas no final da manhã, reconheço o senhor de barba com porte de gente com berço mas vergado pelo vida no romper do dia. E reconheço em todos uma dignidade que talvez menos facilmente reconhecesse em mim em situação idêntica, mostram-se, chegam-se perto, abrem os caixotes e vasculham, sem se preocuparem com os olhares dos outros.

 

Hoje, como sempre fui pôr o lixo no caixote, e levantei como sempre a tampa por trás e atirei o saco como faço tantas e tantas vezes só pela preguiça de ir dar a volta.

 

Mas desta vez a tampa não se fechou sozinha. Do caixote, vejo uma cabeça que se mostrou e se escondeu logo de seguida tapando-se com a mesma tampa que eu inconvenientemente abri. Pedi desculpa, não me assustei. Retenho sim o olhar azul assustado numa cara com pele gasta pelo sol, assustado e envergonhado de bicho do mato levado àquilo, aquilo, de andar ao lixo, já que caçar já não pode, e pedi desculpa, uma, duas vezes e afastei-me com vergonha por viver num mundo destes, em que pessoas como eu se vêem obrigadas a isso.

 

E pensei isto é cena de filme, é, só pode ser mas não, isto é cena de uma sociedade que não vê o outro, que empurra para situações desta gente como eu, de carne e osso.

 

Isto não foi uma cena de filme, mas queria tanto tanto que fosse.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D