Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

na rua dos meus sentidos

na rua dos meus sentidos

31
Ago14

Salta pocinhas a minha versão de comer, orar e amar

naruadosmeussentidos

De 2h de corrida, de caminhada à beira Tejo, de duches de chuveiro com pés na areia, de almoçar às 5 da tarde, de emendar almoço com lanche do melhor bolo de chocolate do mundo, de jantar logo de seguida com os avós e cear com a familia de coração. Sinto-me uma salta pocinhas, de mesa em mesa, que é o mesmo que dizer de familia em familia.

 

Wreath on the kitchen island- so simple and festive

29
Ago14

Da higiene mental

naruadosmeussentidos

Dizia ontem ao almoço que hoje olho para fotografias de há 7 anos e não me reconheço. Poderiam ser de há 7 ou de há 1 que daria igual, eu não me reconheceria.

 

E é tão consciente como o é saber que há 1 ano, eu não faria o que fiz hoje. De Góis trouxe a rotina dos dias bons, e a convicção de que não importa o local, importamos nós, as rotinas e os bons hábitos não dependem de onde estás, mas de onde estão instalados no nosso corpo. As pernas pedem-me descanso, a cabeça pede-me caminhada e corrida assim como me pedia há uns bons dias um banho de mar ou de rio depois do esforço. Hoje à beira Tejo, a ver os barcos a passar, não foi mergulho mas foi caminhada com os pés dentro de água a levantar a água e a fazer chuva de mar, como eu tanto gosto e foi banho de chuveiro em plena praia do Barreiro, com o bar do Bento ali a olhar para mim, se me sabia melhor a água do rio Ceira, ou o mar de Manta Rota, não, soube-me igual, soube-me pela vida e soube-me regressar a casa molhada e feliz e sempre com o rio como companhia. Hoje não vivo sem isto.

28
Ago14

o dia não tem 24h

naruadosmeussentidos

começas o dia bem. corres e andas. 2h. sol, rio, bons dias a desconhecidos, esqueces que no dia anterior a torneira estragou-se, o esquentador pifou, a conta da água deve ir bater recordes tal foi o desperdicio. mas vais andar e esqueces, esqueces até chegares a casa e o telemóvel pifar também. perguntas aos chacras o que mais faltará. trabalhas a medo ainda. e de repente o dia muda, uma amiga de infância liga e vais andar mais 2 horas, novamente rio, sol e conversa muita, chegas a casa e mais duas amigas de infância à porta para irmos andar e tu, tu vais e levas a outra, vai tudo como nos velhos tempos, e mais 2 horas agora de noite, inseridas num grupo, de runners, chegas a casa, partida, morta sem sentires as pernas, a torneira, o esquentador, o tlm também lá estão mortos, mas o meu coração, a minha alma estão bem. estamos bem.

 

 

27
Ago14

760300600

naruadosmeussentidos

Correr demasiadamente cedo, tão cedo que nos recusam o café porque ainda não abriu ó menina. Dão-nos ao menos o copo de água que é ao fim e ao cabo a razão porque lá vamos na preguiça de levar a garrafa de água na mão. O sol não diz, nem deixa dizer que este é o primeiro dia de regresso a uma rotina de 7 por 7 dias da semana a trabalhar, trocada por outra de 7 por 7 de não fazer nada. Ganham os primeiros, 11 para 1, 11 meses de trabalho, 1 de férias. E nem te podes queixar, afinal foi o primeiro ano ao fim de 11 de trabalho que tiraste um mês de férias. Se custa mais regressar, custa quando comparado a anos anteriores que tiravas 1 semana só para não dizer que não tiraste férias. Custa muito, custa, mas é bom sinal, é sinal que a vida vai mudando, que tu tens mais juízo e que vais aprendendo alguma coisa. Estás meio atordoada, sem saber muito bem por onde começar, mas sabes que a vida há-de acordar-te para ela.

 

PS: num assomo de loucura ou de fé com o dinheiro que não gastaste no café, ligaste prá Júlia, com o desejo inconsciente que este modo de vida de dolce fare niente se prolongasse.

25
Ago14

3 semanas que pareceram 3 anos

naruadosmeussentidos

A vida resolve-se. Esta frase ressoa-me vezes sem conta na cabeça como um mantra. Se fosse há uns anos atrás eu diria que nós resolvemos a vida, que fazemos por ela, e eu fiz muito pela minha, mas com os anos chegou-me e ainda me chega a serenidade, a resignação, esta boa, de que estar sempre a lutar, lutar, lutar como se não houvesse amanhã, é inglório, e burro, e porquê, porque a vida de facto resolve-se sozinha. Saber parar, esperar, flutuar é preciso. E eu precisava destas 3 semanas, sem objectivos, sem horários, pelo menos não aqueles de 11 meses do ano. Vestir outras roupas, apanhar outros ares, andar sempre de um lado para o outro, apanhar outra cor, ver, olhar, observar, ter tempo para isso, adormecer as vezes que o sono quiser sem remorsos, correr em vez de andar. E apesar de tudo estar a acontecer ao mesmo tempo, de a vida não parar e estar a ser dificil, saber separar porque há tempo para tudo até para sofrer por antecipação um fim que se crê breve. Mas por ora, decidimos ser egoístas e alternar os momentos para os outros e os momentos para nós, rio, praia, praia, rio, dormir, correr, comer e até rezar. Ter tempo para cuidar de nós mesmo estando encarregues de cuidar de outros. Tudo teve espaço na minha vida estas semanas. As férias acabaram, mas a vida fez-se fazendo.

09
Ago14

3h a caminhar, 3h a limpar a cabeça

naruadosmeussentidos

andar por aqui, sempre junto ao rio, puxar pelo corpo, limpar a mente, dizer bom dia a um senhor à espera que o tempo passe, parar para beber café num sítio que apesar de não ser in ganhou-me pelo carisma e carinho das gentes, continuar, sempre junto ao rio.

 

08
Ago14

Férias feitas de apontamentos

naruadosmeussentidos

As férias fazem-se de kms corridos e caminhados, ou à beira mar ou em plena serra. As férias são intermitentes e alternadas, ora se está em Galápos ou em Góis. Ora se está em trabalho pontual ou em modo avião. Há coisas pequeninas que fazem o dia, como o correr e caminhar ao longo de 7 kms em plena nacional 342 e terminar a corrida com um mergulho em pleno Ceira. As férias fazem-se de apontamentos. Passear o cão em plena serra recortada de caminhos, caminhos que vamos escolhendo aleatoreamente sem a pressão de serem os certos, ao contrário do que fazemos no dia a dia, e dar sempre com o caminho certo para casa, como se todos os caminhos nos levassem a portos de abrigo.

 

@ Góis

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D