Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

na rua dos meus sentidos

na rua dos meus sentidos

16
Mar14

Sabes que vives bem contigo própria

naruadosmeussentidos

quando depois dum dia de trabalho, chegas a casa, vestes o teu vestido novo, pões a mesa para um, requintada, bem posta, abres o vinho ali reservado para situações especiais, desligas os telemóveis, a campainha e jantas...sozinha no silêncio, com a lua cheia sobre o Tejo.


 

PS: estás bem, apesar do cansaço, dos dias sem fim, no fundo estás bem, apesar do burburinho à tua volta. Estás bem.

 

15
Mar14

Já não estou para isto

naruadosmeussentidos

Para quem trabalha 7 dias da semana das 10h às 20h, ter uma Stapples que abre às 9h30 e fecha às 20, um Jumbo que em 2 min me diz por duas vezes que a caixa vai fechar, faz com que cada vez mais goste do Continente apesar de ser mais caro.

 

PS: sai-se do trabalho às 20h, vai-se à Stapples, buscar resmas de papel, bate-se com os cornos na porta, vai-se ao Jumbo buscar as mesmas, sai-se de lá com as mãos a abanar, porque se é para me fecharem as portas duas vezes, vulgo, dizerem-me em 2 caixas, uma seguida à outra ah e tal vai fechar e olhar para o lado e ver poucas caixas e claro está filas e filas, quem lhes fechou a porta fui eu, compras largadas e ala para o Continente.

15
Mar14

O amor também pode ser recordado numa melga

naruadosmeussentidos

Acabei de matar uma melga que estava no ecrã do meu PC, e o que me fez lembrar? do 1º comentário, daquele que viria a ser o grande amor da minha vida no meu primeiro blog aqui no Sapo. E é com a melga estatelada no ecrã, com o painel do blog aberto, que penso, a memória é uma coisa tramada, e a vida mais tramada o é.

 

 

PS: já vem de longe esta mania minha de matar insectos com o pc.

 

 

14
Mar14

O peso do amor

naruadosmeussentidos

Evoluímos, levamos pancada, tropeçamos em nós próprios, e evoluímos, sem dar-mos conta, evoluímos.

 


marilyn - for not being "skinny" (as pop culture defines it today)...and being okay with herself and making it sexy
PS: e foi essa evolução que me faz hoje fazer as coisas de forma diferente, que me protege um pouco mais da perda. Ela diz que eu, ao contrário dela, espalho amor e como tal recebo-o de vários lados, faz-lhe espécie, eu ter tantos abraços estendidos na minha direcção, eu conhecer toda a gente e toda a gente afagar-me, faz-lhe alguma espécie os putos chegarem-se ao pé de mim, e ser beijo e ser abraço, faz-lhe espécie hoje ver-me tão dada, quando há anos atrás era tão arredia.

 

É algo que lhe faz muita confusão e a leva a uma pontinha de inveja, diz ela, que é o contrário de mim porque canaliza o amor que tem e é muito para uma ou duas pessoas, logo quando alguma lhe falha, lhe falta, ela sente muito.  Somos iguais, com a diferença que eu evolui, eu amava com todo o amor duas pessoas, apenas duas, ele e ele, e quando um deles me faltou, o meu amor que era tanto, ficou-me preso no peito na forma de mágoa e tristeza, algo que me pesou durante 10 anos e que me fez amar menos a mim e aos outros, afinal o meu coração tinha morrido, até ao dia que evolui, que me defendi da perda, que percebi que sofria menos e recebia mais se amasse, se amasse e desse de mim a todas as pessoas que a vida me trouxesse por bem, muitas pessoas, se aquele amor todo que tenho para dar não ficasse aqui a pesar-me mas que me libertasse e é por isso, apenas por uma questão de defesa...da perda e da dor que ela me causou que eu amo muitos ao mesmo tempo, sem banalizar nenhum...apenas dando e recebendo...porque o amor se ficar só em nós pode-nos pesar muito..muito...

13
Mar14

E é nas noites em que dá o Benfica e este ganha

naruadosmeussentidos

Ando estourada. Tanto que é nas pequenas coisas que me recupero. É no banho mais prolongado. É no chocolate que religiosamente como às 6f. É na Anatomia de Grey que voltei a ver às 5ªf. É nos minutos que me demoro de manhã a olhar para o rio. É no suspiro que dou quando dou por terminado o dia. É nas sms que envio antes de deitar e em que mal ou bem vou-me fazendo presente nem que seja por texto para aqueles que amo mas a quem não posso dar muito de mim agora. E é por isso que hoje quando fechei o estaminé, só pensava em chegar a casa, sentar-me a ver o meu Benfica e a pedir-lhe que me desse uma boa noite. Pois que deu!

12
Mar14

Nos silêncios, dizemos amo-te

naruadosmeussentidos

O Pai. O homem da nossa vida. Aquele que mais nos ama e também o que mais nos magoa. O Pai. Aquele que nos diz amo-te, apesar de tudo, apesar de ter medo por ti, por esta vida que escolheste, por escolheres fazê-la só, apesar de nunca estares sozinha. Aquele que nos diz que nos ama, não por palavras, mas mesmo quando zangado connosco, nos entra casa adentro sem avisar, nos prepara o almoço e sai como chegou...sem dizer nada.

12
Mar14

O que te lixa verdadeiramente não é isto, é aquilo que não te atreves a dizer

naruadosmeussentidos

E depois há aqueles dias, aqueles em que nada te ajuda, melhor, tu própria não te ajudas, tu és a que te desajuda mais. Em que tu ficas lixado, pela hora a mais que ficas na cama e que devias ter estado a trabalhar, em que aparece mais uma conta que não estavas à espera, em que alguém tem encontro marcado contigo e não aparece, em que compras pilhas e depois as mesmas não servem na máquina para as quais as compraste, em que deixas as chaves no carro e só te apercebes disso já à porta de casa, carregadissima até ao tutano, depois de no elevador dares graças por já estares quase em casa, mas pronto, lá tens de voltar para trás e adiar nem que seja por minutos o fim do teu dia. Há dias em que o teu cérebro não dá mais e que desistes, o que é raro, e quando te sentas finalmente no sofá derrotada por tudo mas não por isto, o filme não é hoje, é dia 20 e tu lixada mais uma vez, pensas, não vale a pena nos enganarmos com estas pequenas coisas porque não é isto que te lixa verdadeiramente, o que te lixa verdadeiramente é outra coisa, mas essa não podes nem te queres queixar dela...sobretudo não te queres queixar dela, porque com todas as outras podes tu bem mas com esta cada vez menos...cada vez menos...

 

 

11
Mar14

Vá se lá entender

naruadosmeussentidos

Resistes aos macarons, aos éclairs, às tartes e tartelettes, às bavaroises, aos mille-feuilles, mas não resistes à fartura da roulotte ali da rua e enches os beiços de açúcar. És assim que fazer, não se compreende, como diria o outro quando te vê, e tu que fazes, adoças-lhe a boca com o açúcar dos teus lábios, só porque te apeteceu, não é Paris, mas é o que te apeteceu aqui e agora. Ele? Ele continua sem te entender sabe que é uma coisa de momento, mas sorri, afinal foi doce e será doce sempre que ela o quiser e lhe apetecer.

 

Poisson d'amour - Lisboa

 

 

 

10
Mar14

no meu pequeno mundo

naruadosmeussentidos

No meu pequeno mundo, tão depressa se rapta um mecânico para uma volta de carro na serra, como se está com uma criança ao colo, como se anda à procura de canetas mágicas para o nosso fab four, porque a imaginação, e a magia não têm imposto, no nosso pequeno mundo, dormimos numa cama mágica, feita de luzes madrepérola, no meu pequeno mundo dispensa-se a Moda Lisboa, para ir ver o treino do nosso pequeno Figo, no meu pequeno mundo, de vez em quando à noite, comemos as guloseimas que nos vão deixando à porta mesmo nos sabendo do lado de cá, apenas com pouca vontade de nos mostrarmos ao mundo, no meu pequeno mundo o dia tem 48 horas e nenhum não, tudo é possível e nada é proibido, no meu pequeno mundo, há sorrisos de gomas e covinhas de embaraço, no meu pequeno mundo há esquecimentos mútuos, há o mil à hora, e há as asneiras que vamos dizendo aqui e ali, no meu pequeno mundo calça-se uma meia de cada cor, vê-se o Benfica e deita-se a língua de fora ao Porto, no meu pequeno mundo deseja-se de vez em quando ir dormir ao mar...e deixar que ele nos leve para longe, qual Jeanne in a Bottle...de vez em quando...

 

Metallic BICs.  gorgeous

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D