Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

na rua dos meus sentidos

na rua dos meus sentidos

25
Fev15

As minhas amigas são minhas amigas há 33 anos

naruadosmeussentidos

As minhas amigas são minhas amigas há 33 anos, e são minhas amigas porque são muito mais minhas do que eu alguma vez fui delas. As minhas amigas são minhas amigas desde o tempo que eu ainda quase usava fraldas, emprestei-lhes a mãe que tomava conta delas e elas emprestaram-me o irmão mais velho. As minhas amigas são minhas amigas ainda do tempo de brincar na rua, do tempo dos piqueniques e das coisas pequenas mas grandes.

As minhas amigas são minhas amigas ainda do tempo em que trocávamos mensagens de varanda a varanda.

As minhas amigas aturaram-me muita coisa, não fosse eu a caçula, as minhas amigas viram-me a trilhar os caminhos mais sinuosos de todos, viram as minhas travessias no deserto e nunca me cobraram a presença, foram mais os momentos de ausência da minha parte do que de presença, ou por excesso de trabalho, ou por excesso de diversão ou por excesso de ambos ao mesmo tempo. As minhas amigas, irmãs, com 1 e 2 anos de diferença para mim, são do tempo em que se chumbava para que eu as pudesse apanhar e isto é veridico, e eu acompanhei-as até que as deixei ficar para trás, as minhas amigas deixaram-me ir, incentivaram e viram a "irmã" mais nova voar, ir para longe fazer novos amigos, tantos e tantos tantos quantos fossem os lugares por onde passava. As minhas amigas viram-me ao longe demasiadas vezes, ao largo delas, e deixaram-me ser de outros sabendo sempre que há laços que nunca nunca se quebram.

 

 

E este é um deles, hoje com 35 anos, apesar de todos os muitos amigos e bons que tenho, esses nunca estarão ao nível destas minhas irmãs, muito mais que amigas, as minhas irmãs, as que me emprestaram pai, mãe, irmão e que hoje me emprestam sorrisos, as que ainda hoje se revezam para ir andar comigo, sabendo que o andar é o meu ponto de equilibrio, e que me vendo descambar se revezam para me manter no trilho, hoje mais perto, em tempos mais de longe mas sempre vigiando-me os passos.

 

Eu amiga delas nunca as soube entender muito bem, nunca partilhei de algumas crenças que têm, não as nego mas nunca me deixei contagiar pelas mesmas, desconfio, sou arredia, digo que não sou capaz. Mas ontem numa das caminhadas, olhei para o lado e pensei, mais do que pensar decidi que vou ser capaz, que vou ter de as acompanhar mais, que a estrada se faz de dois sentidos e que é assim que vai ser daqui para a frente.

 

Crescemos, ficámos diferentes, discordamos mais do que concordamos, damos importância a coisas diferentes, acreditamos em coisas diferentes, mas depois há aquele amor, criado e enraizado na infância, há a saudade dos tempos bons e a certeza de que tivemos a melhor infância e adolescência que podíamos ter tido, e é isso que nos une muito mais do que o que nos desune, sendo que não há nada que verdadeiramente nos desuna, não me lembro de nenhuma zanga se é que ela alguma vez existiu, não me lembro de nenhuma má palavra de parte a parte, e eu até sou respondona, mas nunca em 33 anos lhes respondi mal, deixei de falar, me zanguei, nada...e isso é tão mas tão fácil de explicar...chama-se amor amigo.

13
Fev15

Das associações parvas que fazem

naruadosmeussentidos

Ontem como tive de pegar no carro fui ao centro da cidade e como faço sempre que pego no carro, o que é raro, (a minha média de km por dia num mês é de 2) aproveito para tratar de "coisas" que podem ser desde o ir ao banco, o fazer o buço e as sobrancelhas, ou outra porcaria qualquer aos sitios do costume.

 

Ontem tive de pegar no carro para levar uma miúda à escola, e como óbvia que sou, ou pragmática como me queiram chamar fui ao centro. Objectivo: buço e sobrancelhas, mas sendo que não me puderam atender e tendo em conta que o cabelo precisava de ser cortado virei os ponteiros para o cabeleireiro, e assim foi.

 

Mas como nesse mesmo dia tinha combinado um café com um amigo, associação, eu arranjei-me para o amigo. E quem fez essa associação, não, não foi o amigo que muito provavelmente nem reparou na "lambidez" do meu cabelo, tipo alisamento japonês, não, foram as amigas que já me inventaram um filme de romance do tipo B. Mulheres...

13
Fev15

# 1 - Mimos que eles me dizem (mesmo sem intenção de magoar)

naruadosmeussentidos

Perante a minha brutal constipação, alerta-me o puto preocupado para as pneumonias.

Ainda lhe explico que de uma constipação a uma pneumonia vai uma grande distância. O miúdo volta ao que estava a fazer mas do nada diz: "mas sabes que há muitos velhos que morrem de pneumonia."

 

E pronto, ainda pensei em explicar-lhe que dos 35 anos à velhice ainda vai uma grande distância mas desisti. Apenas me restou dizer que a surdez não escolhe idade...e gargalhei...

 

 

13
Fev15

Do melhor dos nossos dias

naruadosmeussentidos

O melhor dos nossos dias é sempre sem dúvida:

- a gargalhada que damos quando rimos de nós próprias e da nossa estupidez;

- a gargalhada que damos quando nos chamam de velha mesmo sem nenhuma intenção;

- a gargalhada que dou quando me dizem que em viagem se lembraram de mim quando viram um chupa chups de 750gr;

- a gargalhada que damos quando nos dizem que estamos mais bonitas e respondemos que nunca o fomos;

 

As gargalhadas voltaram a esta casa, o que é bom...

04
Fev15

Eu Maria de segundo nome me confesso que a minha vida é de Maria

naruadosmeussentidos

Prometeste a ti própria que não dormerias mais no sofá. Não cumpriste. A lareira está demasiadamente perto da sofá para cumprires tão depressa essa promessa.

 

Prometeste a ti própria que às 4ªf, dia de entrares ao trabalho mais tarde, dormirias até mais tarde. Não cumpriste. É dificil de cumprir quando tens os miúdos a ligarem-te às 7 da manhã com crises de ansiedade horas antes do teste de matemática.

 

Acordas e começas a cumprir um pouco mais cedo aquilo que prometeste que cumpririas todas as 4ªf isto depois de acordares um pouco mais tarde, arrumar a casa, divisão a divisão. E cumpriste!

 

Sentas-te minutos no sofá a beber o 2º café da manhã, que para muitos é a primeira manhã e que para ti já é a segunda.

 

Dás contigo a rires-te de frente para uma TV com uma Maria Helena que atende muitas Marias, todas elas são Maria, e tu ris-te e pensas e quando ligar verdadeiramente uma Maria, será que alguém acredita.

 

Eu Maria de segundo nome me confesso que a minha vida é de Maria com todos os dilemas e mais alguns próprios das Marias, das mulheres, das que amam, das que andam cansadas, das que se perdem e se encontram, das que se desesperam, das que se exasperam, das que remam, remam, contra a maré, das que se superam todos os dias, das que crêem, e das que nunca desistem...

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D