Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

na rua dos meus sentidos

na rua dos meus sentidos

16
Jan14

Um amor que nunca morre

naruadosmeussentidos
Em algum momento da minha vida o amor perdeu-se de mim, ou eu perdi-me do amor, não sei, acho que em determinado momento nos afastámos, como se afastam os amantes quando percebem que a sua paixão pode destruir aqueles que amam. Eu perdi-me do amor, quando me perdi do homem da minha vida, quando o perdi sem nunca o ter tido, e sem hipótese alguma de o voltar a ter. Nem posso dizer que me morreu um amor, mas sim que a vida mo negou, que as circunstâncias da vida mo negaram, que eu sei porque sei que aquele era o homem da minha vida, como acho que ele sabia e sabe que eu era a mulher da vida dele, apenas e só apareci tarde de mais como ele me apareceu, o tempo, a escala de tempo não foi generosa connosco, a vida essa pregou-nos a maior partida de todas, porque de repente nós que a fizemos com tantas certezas, percebemos que talvez se tivessemos esperado, que talvez os sinais que ela nos deu não foram os correctos, que nos precipitámos, que a fizemos cedo de mais, que esta ainda estava para acontecer e que nós vivemo-la com a pessoa errada.

E eu perdi-me do amor, não porque não acredite nele, apenas e só porque já o encontrei, mesmo que o tenha perdido logo de seguida, mas por poucos momentos vivi o tal, o tal que dizem ser o de uma vida, pena é que meu não se tenha cumprido como se devem cumprir todos os grandes amores, mas o que ele me deu nunca nenhum outro me dará, esta calmaria de quem já encontrou aquilo que tanto queria encontrar...
12
Jan14

A Marylin é benfiquista

naruadosmeussentidos
Hoje vi pela primeira vez o Eusébio marcar um golo. Um não, dois! E se fiquei contente!
Philippe Halsman: Marilyn Monroe, “Jumpology”, 1959.
PS: sou benfiquista de pequenina, pequenina continuei e benfiquista também apesar de ser mais racional para a minha sanidade emocional não o ser face. Sou benfiquista como o são todos os outros, fanática por vezes e sofredora tantas outras, mais do que as gostaria, foi pelo Benfica que me lesionei a primeira vez, por festejar um golo, feita parva aos saltos em cima de uma cadeira só para ver os 3 que o João Pinto marcou ao Sporting naqueles 6-3 que eu hei-de recordar para a vida, foi pelo Benfica que eu tive acho o meu primeiro principio de ataque cardíaco num 4-4 ainda jogavam os russos no Benfica . Foi e é pelo Benfica que eu gosto do Eusébio, eu é pelo Eusébio que eu gosto do Benfica. Não sei...mas sei que hoje achei que havia ali um pezinho do Eusébio naquele remate do Rodrigo.
12
Jan14

São os poucos que deviam fazer o todo

naruadosmeussentidos
Por vezes, passam.se dias em que nada de extraordinário acontece, nada realmente que nos surpreenda e é preciso que alguém seja honesto para nos surpreendermos, para sorrirmos, para nos espantarmos da nossa surpresa e para agradecermos porque é assim que se não perde a esperança, é assim que não damos de todo perdido este mundo.

PS: ontem o pai, não reparou e deu três notas de 10 para pagar 20 euros, convencido de que estava a dar o dinheiro certo, e a funcionário da bomba que bem que podia ter ficado com ele, o chamou a atenção para esse facto e devolveu o dinheiro dizendo que gostaria que um dia fizessem o mesmo por ela, percebendo que se rege por essa máximo, eu confesso que chorona como ando, tive de me conter para não deixar cair uma lágrima.
09
Jan14

Hoje disse não ao se

naruadosmeussentidos

 
hoje percebi que estou diferente, que o coração aquele que me toldava a razão, não corre mais, não me atropela a razão como atropelava antes, que hoje, a minha paixão é outra tão mais dificil de explicar e fazer compreender.
Estou apaixonada pelo meu projecto, que decidi abarcar e fazer de tudo para que dê certo, porque dele depende de uma forma muito 8 ou 80 a minha vida.
Talvez se fosse há dois ou três anos eu tinha parado tudo...hoje não parei a vida pela possibilidade de me apaixonar de novo, já que o gesto tinha tudo para que se o olhar fosse coincidente, eu caísse, tal qual um soldado em pleno campo de batalha que é este o da paixão, que se faz de vermelho de um sangue quente que nos corre nas veias, teria dado tudo pela possibilidade de me dar de novo à oportunidade, de sentir o coração a querer fugir-me do peito, mas hoje não fiz, talvez esteja resignada, talvez esteja pacificada e saiba ou sinta que quando tiver de ser será, que quando tiver de acontecer acontecerá, talvez esteja apenas e só ciente de que só consigo viver uma paixão de cada vez...e a minha hoje em dia é apenas uma, a deste projecto do qual fiz vida...ou morte...não sei...


09
Jan14

O meu calendário sou eu que o faço

naruadosmeussentidos

 
O pai ontem quis-me desmanchar a árvore, eu quase que me agarrei a ela, impedindo-o de tal crime. O meu Natal ainda não chegou, vai chegando aos poucos à medida que vou embrulhando as prendas dos putos à velocidade do quase parada. Isto porque por aqui se escrevem bilhetinhos para cada um. Sim, que aqui apesar dos 50 filhos tenta-se ao máximo diferenciar cada um. Os miúdos acham piada a esta falta de respeito pelo que está instituído, eu, bem eu confesso que também.
09
Jan14

Estado Novo

naruadosmeussentidos
Ontem um dos putos quando lhe perguntado se tinha lanchado, respondeu-me que não, que não tinha lanchado porque lhe tinham roubado a sandes, assim, tal e qual. Não sabe quem foi, e isso também não interessa. O que interessa não é o facto de se ter roubado, o que interessa é que se roubou para comer, provavelmente, muito provavelmente por fome, da mesma forma que na sala de aula se descalçam porque as botas estão demasiadamente apertadas.

Isto podia ser apenas um filme, mas não é, é uma realidade cada vez mais presente nas escolas portuguesas, para a qual nós só acordamos quando acontece ao nosso lado, porque enquanto forem as televisões a falar disto, nós ouvimos mas há uma parte de nós que não acredita porque não a vive, não a vê.
07
Jan14

Beijos muitos meus

naruadosmeussentidos
Hoje digo muitas vezes gosto de ti. Aprendi que o devo dizer, antes que o não possa dizer mais. Mais do que o ter aprendido, sinto que o devo dizer, enche-me o peito dizê-lo, faz-me bem, aposto até que me faz melhor a mim que o digo, do que a quem o ouve.
 

PS. Ainda não o digo com a frequência que o deveria dizer à pessoa que mais amo, o que é estúpido, muito estúpido. E agora que penso nisso, talvez não seja assim tão estúpido.


06
Jan14

Desta vez não se pediu a conta nem o beijo

naruadosmeussentidos

 Chegada a casa depois de mais um Natal, e depois de muito se ter pensado sobre o ano que passou, um ano em que tudo mudou, em que a vida deu voltas e voltas mas não voltou ao mesmo lugar. Um ano em que tive de me reinventar, que tive de sobreviver mais do que viver, em que tudo foi posto em causa até nós próprias, um ano em que aprendi que a minha maior característica é a resiliência, o ano em que abri mão de muita coisa em nome de um projecto, um ano movido mais a medo do que a prazer, um ano de foco, de abrir mão dos prazeres em nome dos deveres, foi no abrir de uma caixa de correio que me apercebi o quanto deixei cair, o quanto deixei para trás, quantas coisas fechei numa caixa de modo a não me desviar do caminho, o prazer de escrever foi uma dessas coisas, e foi num postal enviado pela Ana, que me apercebi disso e me apercebi que apesar de pouco ou nada ter feito para alimentar paixões, prazeres, amizades e até amores, há coisas que eu não perdi, que ainda não perdi, como o teu postal anual de Natal e por isso muito obrigado, por isso e pela vontade que me deste de voltar a escrever.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D